Inscreva-se na nossa Newsletter

    Desejo receber e-mails sobre

    aceito Li e aceito os termos de uso e de privacidade *
    * Campos obrigatórios
    Disponível no:
    Termos de uso

    You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

    fechar

    Termos de privacidade

    You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

    fechar

    Quero Investir

    Preencha os dados para ver as formas de investimentos:

      aceito Li e aceito os termos de uso e de privacidade *
      * Campos obrigatórios

      ‘SMALL CAPS’: EMPRESAS MENORES ESTÃO RENDENDO MAIS QUE GIGANTES DA BOLSA

      O ano de 2019 tem sido positivo para a bolsa de valores brasileira. Uma evidência disso é que o Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas da B3, acumulava alta de pouco mais de 31% até o dia 19 de dezembro. Isso significa que quem investiu R$ 1 mil nele em janeiro, hoje já tem R$ 1.310. Porém, se esse investidor tivesse apostado em empresas de menor valor de mercado, ele poderia ter R$ 1.538.

      O ganho de 54% no ano foi registrado pelo Índice de Small Caps. Ele reúne as empresas com menor valor de mercado que são mais negociadas na bolsa de valores. Empresas diretamente ligadas ao consumo como varejistas e construtoras são alguns dos papéisnegociados nesse índice. E, segundo especialistas, com a retomada econômica se firmando no próximo ano, essas companhias tendem a continuar ganhando força (e dinheiro).

      “Essa dinâmica das small caps subindo deve continuar no ano que vem. E isso vai ser explicado pela melhora do cenário local, com mais crédito para pessoas físicas, já que os juros estão baixos, e a criação de empregos”, afirma Lucas Tambellini, estrategista do Itaú BBA.

      Ele explica que índices como o Ibovespa têm muita participação de empresas que dependem do cenário externo, como Petrobras (que representa 12,2% do índice) e Vale (8,7%). Por isso é mais difícil “prever o que deve acontecer com os papéis delas”.

      “Qual será o preço do minério ano que vem? Não tenho ideia. Já os dados da atividade interna você consegue acompanhar, como índices de confiança dos consumidores, do comércio, dados de crédito e juros”, afirma. O especialista explica que, se esses indicadores têm registrado números positivos, é provável que as empresas consideradas small caps também tenham bons resultados e, por isso, melhorem seu desempenho na bolsa.

      Para Werner Roger, gestor da Trígono, os indícios atuais são favoráveis às small caps. “O que poderia atrapalhar essas empresas seria a perspectiva de que o PIB não vai crescer ou que os juros poderiam voltar a subir devido a uma inflação alta. E não é isso que estamos vendo”, afirma.

      No último ano, quando a economia local ainda patinava e o país se viu imerso em incertezas devido às eleições presidenciais, o índice de small caps sentiu. Enquanto o Ibovespa subiu 15%, a valorização do Small Cap ficou em 8,1%. “A economia no ano passado deu uma desacelerada. Então muitos papéis desse índice caíram muito”, afirma Tambellini.

      Mas o especialista concorda que a perspectiva para o próximo ano é diferente. “O [levantamento do IBGE] Caged mostrou que há criação de emprego. O crédito para pessoa física está crescendo. Tem demanda por conta de criação de emprego e tem oferta de crédito. Então é mais fácil estar posicionado em small caps do que em commodities, por exemplo”, afirma.

      Outro fator positivo relacionado às small caps é a capacidade (e, claro, o espaço) que elas têm de crescer. “Imagine uma empresa como a Apple, que tem um valor de mercado de US$ 1 trilhão. Para ela dobrar de tamanho, é muito difícil, certo?! Agora imagine uma menor, a Via Varejo, que tem um valor de mercado em torno de R$ 6 bilhões. É mais fácil que ela dobre de valor”, diz Tambellini.

      NEM TUDO SÃO FLORES

      Mas é claro que nem tudo são flores no mundo das Small Caps. Ao mesmo tempo em que elas têm mais espaço para ganhos e é mais fácil “prever” se elas vão se sair bem naquele ano, elas também são mais voláteis. Justamente por serem menores, elas podem sofrer mais com alguma adversidade. Se há mudanças em indicadores locais como um aumento da inflação ou até mesmo dos juros, o resultado nelas pode aparecer mais rapidamente.

      “Em geral, a volatilidade é maior. Elas são empresas menores, então têm mais risco”, afirma Adriano Cantreva, da Portofino.

      A dica dos analistas, então, é que o pequeno investidor aposte em fundos desse tipo de ação. “A não ser que aquele investidor consiga se dedicar para estudar e conhecer especificamente as empresas, é melhor ele investir no índice ou em fundos“, afirma Cantreva.

      Veja abaixo, as ações que mais se destacaram no Índice de Small Caps no ano até, o dia 19 de dezembro.

      Maiores ganhos no índice de Small Caps

      Inscreva-se na nossa Newsletter

        Desejo receber e-mails sobre

        aceito Li e aceito os termos de uso e de privacidade *
        * Campos obrigatórios
        Disponível no:
        Termos de uso

        You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

        fechar

        Termos de privacidade

        You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

        fechar

        Confira as entidades que a Trígono Capital apoia: