Inscreva-se na nossa Newsletter

    Desejo receber e-mails sobre

    aceito Li e aceito os termos de uso e de privacidade *
    * Campos obrigatórios
    Disponível no:
    Termos de uso

    You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

    fechar

    Termos de privacidade

    You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

    fechar

    Quero Investir

    Preencha os dados para ver as formas de investimentos:

      aceito Li e aceito os termos de uso e de privacidade *
      * Campos obrigatórios

      Resenha Mensal – Dezembro 2020: A luz da esperança iluminou as trevas do medo

      Prezados investidores,

      Em março, quando a pandemia sacudiu os mercados financeiros e levou todo o planeta à beira do pânico, com um verdadeiro tsunâmi econômico, mergulhamos numa sensação de trevas e desesperança. A quantidade de pessoas infectadas em todo o mundo, as mortes etc. eram o tema dominante. Imagens de cemitérios e sepulturas ganhavam um espaço que nem o tricampeonato da Copa do Mundo teve. Na TV, não havia lugar para mais nada.

      Há males, no entanto, que vêm para o bem: em meados de março, deixei de assistir à TV aberta (exceto futebol e tênis) e descobri o mundo das séries: Netflix em vez dos jornais da morte. Embora percamos, minha esposa e eu, algumas horas de sono em favor destes seriados (vide adiante o nosso atual, mais adiante, após o divertido e interessante O Gambito da Rainha), caros leitores, vocês não imaginam o bem que isso nos fez. Ainda inspirado pelo seriado, baseado numa jogadora de xadrez, recomendo jogar e ensinar os filhos a jogarem.

      As vacinas que foram sendo anunciadas – e os trilhões de dólares injetados como vacina monetária na veia e nos músculos de combalidas economias (glicose, na realidade, na veia de uma economia cambaleante, como um bêbado sem direção) – começam a mudar as dinâmicas dos mercados. A China, onde supostamente tudo começou, é a primeira grande economia mundial a reverter a situação. Ainda não voltou à normalidade, mas ficou a mostra de que um Estado forte, mesmo sem democracia, consegue gerir melhor uma situação dramática; as democracias (pobres democracias…) gritam por direitos individuais, ainda que ao custo de sacrificar toda a sociedade – eles, individualistas, inclusive. Não discuto regime político, mas sim o papel do Estado e o utilitarismo.

       

      Clique aqui e leia mais.

      Inscreva-se na nossa Newsletter

        Desejo receber e-mails sobre

        aceito Li e aceito os termos de uso e de privacidade *
        * Campos obrigatórios
        Disponível no:
        Termos de uso

        You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

        fechar

        Termos de privacidade

        You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

        fechar

        Confira as entidades que a Trígono Capital apoia: