Subscribe to our newsletter

    I want do receive e-mails

    aceito I have read and agree to the Terms and Privacy Policy *
    * Compulsory fields
    AVAILABLE ON:
    Termos de uso

    You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

    fechar

    Termos de privacidade

    You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

    fechar

    I would like to invest

    Fill out the information below to see our investment options:

      aceito I have read and agree to the Terms and Privacy Policy *
      * Compulsory fields

      RESENHA MENSAL – JANEIRO 2022: “Investir é preciso, viver não é preciso”

      Prezados leitores e investidores,

      Calma! Não tire conclusões precipitadas do título de nossa primeira Resenha de 2022 – e que, de certa forma, põe o devido ponto final em 2021. Continue a leitura e tudo ficará claro. Alguns talvez já tenham identificado no título o verso – ou melhor, uma adaptação do verso – do grande, genial nome da poesia em língua portuguesa Fernando Pessoa (1888-1935). Na verdade, embora o tenha tornado famoso como poeta, o gênio de Pessoa não o limitava a essa, já em si mesma, imensa forma de arte. Ele navegou (para usar o verbo original do verso) por várias áreas de conhecimento e criação artística, como dramaturgia e filosofia, foi tradutor (de Shakespeare a Edgar Allan Poe), ensaísta, publicitário, empresário, inventor e – vejam só – até astrólogo! Breve como tenha sido, sua vida foi repleta de realizações e nos deixou um legado que resistiu à prova do tempo – todo ele criado num mundo em que telefones, aviões e veículos motorizados viviam sua infância, computadores eram uma fantasia e “internet” seria só um amontoado sem sentido de letras (se alguém as tivesse amontoado assim àquela época).

      As letras, como se vê, foram o campo em que ele mais produziu. Ou, para continuar no espírito de seu verso, o mar em que ele mais navegou. “Navegar é preciso, viver não é preciso” foi o que o imortalizou entre os falantes da língua de Camões. Mas seria uma frase emprestada: ela é atribuída ao general romano Pompeu (106-48 a.c), que com ela incentivava os marinheiros sob seu comando.

       

      CLIQUE AQUI e saiba mais.

      Subscribe to our newsletter

        I want do receive e-mails

        aceito I have read and agree to the Terms and Privacy Policy *
        * Compulsory fields
        AVAILABLE ON:
        Termos de uso

        You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

        fechar

        Termos de privacidade

        You won't be able to dismiss this by usual means (escape or click button), but you can close it programatically based on user choices or actions.

        fechar

        Check out the entities that Trígono Capital supports: